Ato Performativo

 “Toda obra de arte é filha de seu tempo e, muitas vezes, mãe dos nossos sentimentos.” (Wassily Kandinsky – Do espiritual na arte, 1912)

 

 

Respeitável Público, palestra-performance!                                                                    Risco iminente: das vertigens do agora (2019)

Concepção e coordenação performativa: Luana Coelho Gomes
Direção de movimento: Larissa Lima e Luana Coelho Gomes
Direção de arte: Marcos Gom
Escrita da luz: Luana Coelho Gomes e Marcos Gom
Elenco: Kelvin Cássio, Larissa Lima, Luana Coelho Gomes, Marcos Gom e Rodrigo Santos.
Realização: Nomas Trupe

 

Respeitável Público, palestra-performance! Risco Iminente: das vertigens do agora – Galpão do CICALT –  registro: Letícia Castilho

 

O projeto Respeitável Público, palestra-performance! acontece como atividade reflexiva e de produção de conhecimento do fazer ético-estético do criador-intérprete-pesquisador em Artes da Cena. A cartografia Risco Iminente: das vertigens do agora, enquanto conectivo das experiências corporais para a produção de sentido, atua como possibilidade de tradução linguística das imagens-corpos nas nuances poéticas do acontecimento ético-estético-cartográfico da performatividade circense.

A produção cartográfica da palestra-performance se estabelece na maneira rizomática do sentir-pensar-fazer artístico, a partir da nominação dos processos de singularização. Nesta trama, a performatividade circense, enquanto corpo e sujeito, traduz situações-limite [o risco] físicas, emocionais e relacionais. Neste engendramento, o público é convocado a uma experiência criativa por meio da interatividade.

A proposta é realizar uma palestra-performance utilizando dos dispositivos midiáticos corpo, som e vídeo durante 50 minutos, um tempo simbólico que remete ao período de duração de uma aula. O público é convidado a estar próximo das experiências subjetivas de investigação a partir de ações estruturadas pelos performers.

O jogo cênico é organizado através de dispositivos criativos previamente escolhidos, assim como a duração de cada momento performativo. O formato da palestra-performance fortalece o vínculo com a produção de conhecimento do fazer ético-estético do criador-intérprete-pesquisador em Artes da Cena, compartilhando com o Respeitável Público referenciais imagéticos, estéticos, corporais e bibliográficos da linguagem circense.

Experimentações performativas – Corporalidade circo-dança:

  • Experimentação da manipulação de objetos do malabarismo experimental no
    diálogo com o estudo do movimento na dança contemporânea através dos
    fatores do movimento de Rudolf Laban, de elementos cênicos aplicados à
    performance e da metodologia do viewpoints de Anne Bogart e Tina Landau
    aplicadas ao estudo do movimento com relação ao objeto.
  • Experimentação na concepção da imagem fotográfica em sua emergência no
    presente e suas implicações fronteiriças como linguagem e registro a partir das
    faculdades da memória e do esquecimento em co-relação às problemáticas do
    espaço por meio da projeção.

 

RISCO 01

Arte: Marcos Gom

 

 

Respeitável Público, palestra-performance! (2018)

Concepção e coordenação performativa: Luana Coelho Gomes
Elenco: Bianca Sanches, Luana Coelho Gomes e Vinícius Guedes
Direção de Arte: Marcos Gom

 

Em um formato que mistura palestra e performance, a artista Luana Coelho Gomes aborda temas correlatos à sua pesquisa artística em Artes da Cena, que tem ênfase em Artes Circenses, propondo ao público uma experiência criativa por meio da interatividade.

Respeitável Público - Foto 1 - Marcos GomRespeitável Público - Foto 2 - Marcos GomRespeitável Público - Foto 3 - Marcos GomTeatro João Ceschiatti – Palácio das Artes – Fundação Clóvis Salgado – Fotos: Marcos Gom

 

 

(in) Tensão! – Performance e acontecimento (desde 2015)

Concepção e direção: Luana Coelho Gomes
Direção musical: Gustavo Elias
Escrita da luz: Luana Coelho Gomes
Performance: Ana Paula Santos, Gustavo Elias e Luana Coelho Gomes

 

O ato performativo (in) Tensão!, com duração de 25 minutos de experiência criativa, acontece no formato de improvisação estruturada e é realizado em espaços alternativos, galerias de arte, auditórios, ruas, praças ou qualquer espaço de circulação de pessoas. A ideia do acontecimento é que o espectador-observador possa estabelecer uma relação de contemplação sensorial à experiência estética e ao mesmo tempo ser elemento constitutivo da experiência coletiva.

A ressignificação do espaço cênico, sonoro, visual e a função do espectador-observador como parte intrínseca da narrativa, atuam como estímulos fundamentais para a realização da performance.

A performance acontece através da pesquisa de som, imagem e movimento, onde experimentações coletivas são desenvolvidas partindo da noção de movimento-ideia e do conceito “fundamento-ideia” em Klauss Vianna. O espaço de jogo cênico, visual e sonoro cria novas possibilidades de movimento durante todo o ato performativo.

“(…) que o movimento-ideia tornar-se-á a via de acesso à LIBERDADE possível do SUJEITO BAILARINO. Introduzindo a improvisação nos procedimentos pedagógicos e criativos como ferramenta essencial, ele dará à essa noção de movimento-ideia um tom especial de autonomia e conscientização sobre aquilo que cada um faz, agora não mais por uma [dança] especialmente brasileira, mas que procura atender o SER HUMANO em sua TOTALIDADE.” (Alvarenga, 2009 : 209; 210)

 

SONY DSCII Congresso Congresso de Inovação e Metodologias no Ensino Superior – UFMG – fotos: Raíssa César

 

ensaio aberto3ensaio aberto - públicoensaio aberto - público22018-03-28 (1)ensaio aberto2018-03-12 (3)2018-03-12 (4)2018-03-12ENCONTRO2018-03-28 (2)ensaio aberto2“Laboratório Circense” – Funarte / MG – fotografia: Marcos GOM